Comunicação

Pais com açúcar

Vó Joanita Ribeiro e Vô A. Martins Ribeiro

Vó Joanita Ribeiro e Vô A. Martins Ribeiro

No dia 26 de julho, comemora-se no Brasil o Dia dos Avós. Um dia especial em homenagem a eles.

Normalmente os avós são pessoas com experiência, já viveram muitos momentos especiais e felizes, sofreram, criaram, educaram e muitas vezes tiveram e, ainda possuem, muita paciência para lidar com os netos.

Já ouvi muitas vezes pessoas falarem que os pais educam e os avós estragam, mas não é bem assim. Os avós também participam no desafio da educação dos netos, mas suas responsabilidades são diferentes. Quando achamos que estão estragando, é na maioria dos casos por excesso de amor e de sua “responsabilidade de mimar”.

Muitas vezes as avós são chamadas de “segunda mãe”, e os avôs, de “segundo pai”. Em muitos casos estão ao lado e mesmo à frente da educação de seus netos, com um sentimento maravilhoso de vivenciar os frutos de seu fruto, a continuidade das gerações.

Para a neta Aline Kimie, “avó é uma pessoa que sempre vai deixar você fazer tudo (mesmo sua mãe não deixando), uma segunda mãe que você levará para sempre no coração e se recordará dos bons momentos vividos na infância.”

A neta Daniela Sfalcin resume os avós com a seguinte frase: “Avós são pais com açúcar”.  

Vovó Vasni Fortes define ser avó como “ser mãe de novo, só com mais tempo para curtir os netos”.

Na maioria dos casos existe um forte vínculo de amor e carinho entre avós e netos. Os netos gostam de ouvir os avós contarem histórias e aventuras do passado e os avós adoram receber a atenção deles. Todos temos grandes lembranças dos nossos avós.

Minha avó paterna considero como a avó de oração, pois ela sempre fala que está orando por mim e pede oração por ela.

Minha avó materna teve muita paciência pra repetir várias vezes a mesma história e jogar um jogo de tabuleiro como forma de passar o tempo em um momento especial que tive que ficar hospitalizado. O tempo passou e hoje precisamos ter paciência com ela que precisa de cuidados especiais por motivo da idade e de algumas doenças, como o mal de Alzheimer.

Meu avô paterno deixou saudades (já falecido). Lembro de uma situação que ele não aguentava mais ficar hospitalizado e tentou fugir do hospital, mas essa é apenas uma das diversas histórias.

Meu avô materno recebeu por parte dos netos o apelido de “Martim Pescador” por gostar de pescar e também ter “Martins” como parte do nome. Até hoje ele gosta muito de pescar e a maioria dos netos herdou esse gosto por pescaria.  
Outro fato que marcou é que o “vô Martins” sempre citava o mesmo verso nos cultos, o Salmo 37:25 “Já fui jovem e agora sou velho, mas nunca vi o justo desamparado, nem seus filhos mendigando o pão.”

São tantas histórias e momentos felizes que passamos com nossos avós,  que apenas um dia especial para homenagear é pouco.

Encerro este artigo com a citação que encontrei no site Portal da Família: “Celebrar o Dia dos Avós significa celebrar a experiência de vida, reconhecer o valor da sabedoria adquirida, não apenas nos livros, nem nas escolas, mas no convívio com as pessoas e com a própria natureza.”  [Vanio Fortes]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *